Patolada na Mala

Um blog sobre Malas, Patoladas e Sleeping Fetsh.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Médico hipnotiza policial novinho e chupa o pau dele

Muito bom esse vídeo.



Médico hipnotiza policial novinho e chupa o pau dele.



Les Mecs De Cokto: Les Vidéos Cultes Des Mecs De Cokto : DEEP TRANCE ...: LIBRARIES USED TO LOCK UP BOOKS ABOUT HYPNOTISM. You had to explain why you wanted to access these books, and even if you got access, you...

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Conto - Pegando no talo do amigo bêbado

Boa tarde povo.
Segue conto recebido de leitor do blog.
---------------------

Olá, segue um conto ...

Situação real, sem mimimi.
Eu tenho 24 e ele 22.
Com homem eu só gosto de sexo. Simples e nada mais.
Então vivo como um hétero e até me considero um. Só que tenho essa diferença. Não sou infeliz e me divirto bastante.
Sou um viciado no prazer carnal.
Tenho oportunidades únicas de me satisfazer, e normalmente consigo o que busco.
Dia desses coloquei na cabeça que deveria ao menos tocar naquele talo.
As exigências: tinha que estar duro. Me desafiei. Desde então, em toda oportunidade busco algum resquício de sexo nas coisas dele. Quando vou na sua casa olho em torno de sua cama, procuro gozo perdido, assim como em suas cuecas usadas. E como são cheirosas... Ele não desconfia de nada, acho.
Até que, em mais um fim de semana de bebedeira no interior, resolvi arriscar alto. Deixei ele se divertir e me contive. Só biquei no álcool, como sempre faço. Meus amigos de lá são hormônio puro, são o tipo de caras que gostam de nadar pelado, mostrar o talo, falar que estão excitados, mandar fotos no grupo de whatss, etc. Nesse dia inclusive, eles foram tudo nadar no rio, todos bêbados e eu atento.
Calhou de ser uma noite em que o rapaz em questão parecia estar mais folgoso. Nenhum de nós faz sexo, somos meninos religiosos e levamos isso a sério (divago).
Acontece que, quase no fim da noite, já estávamos todos bêbados. Eu fingindo. A viagem tinha sido longa e a cachaçada também, então fomos dormir. As camas estavam juntas, deitamos eu, o rapaz e outro amigo. Fiquei no meio. O outro amigo dormiu logo, o rapaz também.
De repente, estava eu pensando em nada, quando vi que o rapaz, que costuma dormir de shorts, tinha ficado só de cueca, e estava virado de frente para mim. Minha mão, de repente, encontrou uma pequena protuberância sob o lençol. Fiquei ali, acariciando levemente. Senti que nada acontecia, pensei que seria desleal abusar de um bêbado. Depois de algum tempo, parei e puxei um suspiro fingido de sono profundo.
Cochilei, quando volto, ainda estávamos deitados. O rapaz, agora de barriga para cima. Virei de bruços e fingi um cair de braço leve, estrategicamente sobre o talo, que continuava mole.
Minha surpresa veio quando, ainda com minha mão insistente, aquele talo, quase adolescente pelo tamanho, começa a tomar forma.
Senti o pau dele endurecer sob meus afagos.
Fui mais longe, de uma maneira delicada, segurei o elástico da cueca e coloquei a mão lá dentro, cuidei para não enroscar nos pelos. Dali em diante tive a certeza de que poderia seguir, logo encontrei o talo, erguido.
Segurei levemente e o acariciei e busquei com tato saber detalhes. O masturbei com cuidado, e o tesão era tanto que por pouco não me gozo todo, sem nem mesmo ter me tocado. No ápice, resolvo levantar e pegar o telefone, queria gravar aquilo. Deito, mas ao tentar retornar, não tive sucesso. O rapaz levantou. Eu fingi que dormia profundo. Ele foi ao banheiro, demorou algum tempo, voltou, colocou um shorts e deitou de novo. Depois busquei perder meu braço entre a virilha dele novamente, mas suas mãos protegiam o talo descansado.

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Conto: A noite em que apalpei o leke

Segue conto.
------------
Eu tenho um colega e eu sou bem fissurado na dele. Ele é magrinho, olhos verdes, estilo teen e eu acho ele um gatinho ainda mais com aquele volume delicia que se faz na frente das calças jeans que ele usa. Temos muita coisa em comum e isso aconteceu em 2012 creio. Ele devia ter uns 14 anos na época.

Teve uma vez que eu finalmente consegui trazer ele pra dormir na minha casa. Claro que se tratava de um plano para obter o tabaco dele. Minha intenção era de ir no pinguelo dele igual gafanhoto na lavora.
Na hora de dormir, quando eu vi ele com aquele calção de tactel, já fiquei bem alegrinho, pois eu acho esses calções muito sexys. Depois de vermos TV, Naruto etc, fomos dormir. Óbvio que eu dei um tempo legal pra ele ferrar no sono e me acordei depois. 
Cara, na hora que eu olhei pra ele eu delirei. Estava de barriga pra cima, esticado com uma perna dobrada. Posição super tesuda e facilitadora. Adoro quando eles estão assim, de barraca pra cima, esticados com a guarda bem aberta e desprotegida como vc disse.
Ai eu fui metendo a mão por baixo do edredom pra achar a mala dele naquele calção.
Senti a lateral do quadril, subi um pouco a mão, achei a cintura, desci um pouco mais a mão e assim que eu senti aquela parte mais durinha do velcro, o coração acelerou, pensei, a jeba deve ta perto, já achei a abertura do calção. Eu tateei a região do lado direito do velcro e como não senti nenhuma protuberância, deduzi que estava guardado pro outro lado. Ai me estiquei mais um pouquinho pra ir com a mão do outro lado e achei a banana dele. Fui sentindo-a de leve só com os dedos pois até então não conhecia a profundidade do sono do garoto.
Destapei um pouco só aquela região ali para poder ver o retrato do pênis dele sendo pressionado entre os meus dedos naquele tecido liso.
Depois eu fui no velcro e comecei a abri-lo bem lentamente por causa dos estralinhos que faz. quando a gente separa as abas.
Abri bem lentamente e a cada milímetro que eu abria, mais perto da rola dele eu estava o que aumentava ainda mais a adrenalina. Eu não via a hora de abrir aquela "gaiola e agarrar aquele passarinho". Dava tesão só em abrir o velcro. Assim que eu abri completamente, se fez aquela abertura bem grande (velcro comprido). Então invadi o calção dele com a minha mão bandida e fui diretinho no piru dele que eu já imaginava aonde estava pelas apalpadas anteriores por cima do calção. Peguei no piru dele por cima da cueca e dei uma apertada e tirei rápido, assim pra disfaçar mesmo caso ele acordasse. Como vi que ele não acordava, voltei com a mão lá e comecei a aperta-lo pela cueca de novo. Aquela sensação de pegar algo escondido era demais e o piru do muleque era muito gostoso de se pressionar.
Só que com a mão esticada cansa muito e a gente tem que voltar e descansar. Quando eu voltei, percebi que o pau dele tava duro e bem grosso. E ele é magrinho, com um pau grosso. Fiquei fascinado com a combinação. Gostoso mesmo foi a hora que numa apertada minha ele respirou fundo e o pau dele deu aquela fisgada, sabe quando pula. Alucinei nessa hora pensando na quantidade de tesão que não devia estar bombando ali dentro daquele cacete mesmo com ele dormindo. 
Fiquei apertando por um bom tempo, horas só o dele, horas o meu junto com a outra mão. Foi muito bom patolar o gostosinho, ter aquele tabaco dele na minha mão. Não fui além disso por medo dele acordar, mas não tem problema, porque eu sou taradinho mesmo é por apertar (rsrsrs).
No outro dia nada ocorreu na reação dele que tenha dado a entender que ele tivesse sentido algo, tanto que até hoje ele cogita em voltar, o problema é a mãe chata dele que não deixa, prendi o guro igual bicho do mato. Agora ele está com 17 anos e o pau dele deve estar maior e mais tesudo ainda kkkk. Mau vejo a hora dele convencer ela kkk. Farei questão de dar um calção de nylon pra ele e agarrar a jeba dura dele por cima do tecido só pra sentir o sangue bombiando lá dentro e sentir ela pular com as minhas pressionadas.

Pegando na mala do bêbado na rua

Mais um realzão.

Saboreando o pinto do dorminhoco

Mais um realzão pra galera

The best of cafuçus: Abusando do priminho dormindo 26 - boquete bom # v...

The best of cafuçus: Abusando do priminho dormindo 26 - boquete bom # v...

Uau que vídeo perfeito.
Abriu a calça do primo dormindo e mandou ver na chupeta.